Palavra da Diretoria

Sabe aquela história de “um por todos e todos por um” é a mais pura verdade. Na luta pela manutenção e ampliação dos direitos, a mobilização é essencial. Precisamos (entidades, organizações e os trabalhadores) fazer mais do que o exercício de análise e crítica. Precisamos despertar para o exercício da participação ativa nas decisões da sociedade em que estamos inseridos.

Vivemos um período difícil no exercício das profissões que englobam a Educação. Autoridades políticas, da esfera legislativa e executiva, atacam e maculam a imagem e a atividade dos profissionais desta área. Precisamos “acordar” a nós mesmos e a outras pessoas, se realmente quisermos vislumbrar um futuro melhor para a nossa rede de ensino e nossa profissão. Precisamos despertar para a mobilização!

A palavra mobilização quando entra pelos nossos ouvidos, logo faz surgir da memória, aqueles episódios de manifestações públicas, com uma multidão nas ruas, portando faixas e bandeiras, cantando hinos e gritando palavras de ordem.

Mas para entendermos a importância da mobilização social e aproveitarmos todo o seu potencial como estratégia de construção da democracia nesse momento da história brasileira, a primeira coisa que precisamos fazer é ir além dessa ideia, abrindo nossa mente para um jeito ampliado de pensar sobre o assunto.

Os eventos e as manifestações públicas têm um papel muito importante para criar esse sentimento de que todos estão no mesmo barco. Mas o que fazer depois?

Depois que as pessoas saem de uma passeata e voltam para as suas casas e para o seu trabalho, a mobilização precisa continuar acontecendo. Caso contrário, os resultados dos eventos podem se perder no cotidiano.

A palavra mobilização vem do Latim MOBILIS, “o que pode mudar de lugar” e de MOVERE, “mudar de lugar, mover, deslocar”. O problema é que muitos de nós abrimos mão de nossa capacidade de decisão em escolher para onde queremos ir e quais os passos que nos levarão até lá. Precisamos deixar de acreditar que um herói irá surgir e nossos problemas se extinguirão num passe de mágica sem que para isso, necessitemos sair de nossa zona de conforto.

Precisamos mudar nossa mentalidade de manada e assumir a condução de nossa vida profissional e lutar no mundo real, e não apenas no virtual, para que deixemos de ser conduzidos como manada.

A diretoria ASPPAMS, acredita que a luta e a mobilização de todos e todas é necessário para que nossa profissão não sofra mais ataques como tem acontecido. Acreditamos que a luta não se faz apenas com entidades. Afinal, a associação não é nada sem que seus membros sejam ativos e participativos, conscientes de seu papel.

Assim, a prova de fogo da mobilização não é só quantas pessoas participam, mas também como elas estão envolvidas. Mais do que um lutar por todos, é necessário que todos lutem por um!

Fica o questionamento;

O quanto você tem se envolvido efetivamente na luta pelos direitos de todos, inclusive o seu?

As entidades de Classe como a ASPPAMS é sua voz, Associe-se, fortaleça-se, participe, questione!

Vânia Érica Rodrigues do Nascimento

Presidente, ASPPAMS